terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Lotérica de Novo Hamburgo apresenta defesa.

A Caixa suspendeu o sistema de apostas da lotérica de Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul, suspeita de arrecadar, mas não apostar o dinheiro de um bolão.
Segundo a lotérica, pode ter havido falha humana na própria lotérica ou na gráfica que produz as cartelas numéricas usadas nos bolões.
Veja a matéria:


Fonte: Globo.com

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Erro de lotérica faz apostadores perderem prêmio.

Um grupo de apostadores de Novo Hamburgo, região metropolitana de Porto Alegre, sentiram o gosto de serem milionários após o sorteio da Mega-Sena realizado neste sábado, mas descobriram logo depois o gosto amargo de chegar tão perto e não ganhar.

Eles compraram cotas de um "bolão" oferecido pela agência lotérica Esquina da Sorte, mas o jogo não está lançado no sistema de controle da Caixa Econômica Federal.

"Acordamos ricos e dormimos pobres", resumiu o motorista Jadir Quadros, 40 anos, referindo-se ao domingo que ele e os outros apostadores passaram.

A modalidade bolão é montada e vendida pelas lotéricas com base apenas numa relação de confiança com seus clientes. O apostador fica com um comprovante oferecido pela casa, enquanto esta paga os jogos à Caixa e retém o volante oficial, o único que dá direito à retirada do dinheiro.

Nesse caso, foi oferecida a participação em 15 diferentes jogos a 40 pessoas, que pagaram R$ 11,00 cada uma para participar da associação informal. Uma das combinações continha as dezenas sorteadas no sábado.

Após a desagradável surpresa, treze deles registraram ocorrência na Polícia Civil e vão à Justiça tentar obter o pagamento e compensações pelo dano moral que sofreram. "A ação será contra a lotérica e também contra a Caixa, que responde solidariamente", adianta a advogada Josmari Peixoto.

A lotérica ainda não explicou o que houve. Funcionários da casa admitem a possibilidade de um erro humano, mas descartam que alguém possa ter agido de má-fé e refutam a desconfiança de alguns clientes que passaram a suspeitar que nenhuma aposta recolhida por "bolões" tenha sido feita.

Em nota distribuída hoje, a Caixa destaca que "o comprovante emitido pelo terminal de apostas é o único documento que habilita o recebimento de prêmios" e promete que "a ocorrência será objeto de apuração".

Como punição, a lotérica poderá receber de advertência à revogação compulsória de sua permissão.

Fonte: Yahoo!

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

TIM é condenada por ofender cliente em fatura.

A TIM Celular foi condenada em segunda instância a indenizar em R$ 12 mil a cliente Catarina Mattar. De acordo com o processo, a operadora enviou, durante oito meses, a fatura de cobrança com a frase “Catarina quer chorar ela tem um gatinho” no lugar de seu nome completo. A decisão é da 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Na ação, Catarina disse que fez várias ligações para a empresa a fim de solucionar as “cobranças excessivas na conta de telefone”. Segundo ela, a ofensa começou após um desses contatos quando, ao perceber que não conseguiria resolver o problema, caiu no choro. Em depoimento à Justiça, Catarina contou que, para contestar o alto valor da cobrança, disse ao atendente que morava sozinha e possuía somente um gato de estimação.

Na sentença, o desembargador José Carlos Paes levou em conta o tempo de duração e o fato de o constrangimento ter se tornado público. “Frise-se que a autora reside em condomínio de apartamentos e que as correspondências endereçadas às unidades do edifício são inicialmente entregues aos porteiros para que então sejam repassadas aos moradores. Sendo assim, a ofensa perpetrada não se limitou apenas ao conhecimento da vítima, causando-lhe, certamente, enorme constrangimento perante os funcionários do prédio onde reside”, afirmou o juiz.

Fonte: Correioweb